fbpx
Pular para o conteúdo

A arte final não inclui a marca d’água do PetPosts.

Post 212

R$5,50

Este conteúdo faz parte do site PetPosts. A cópia e uso (total ou parcial) sem a respectiva compra constitui USO INDEVIDO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, passível de punição nos termos da lei, incluindo multa e detenção. Seu IP foi registrado e poderá ser utilizado para fins legais em caso de uso indevido deste conteúdo.

A marca d’água NÃO faz parte das artes.
– A arte é entregue sem a marca d’água do PetPosts.
– As cores da imagem e a posição da sua personalização são as mesmas que você vê nesta amostra.
– Os posts não são entregues sem personalização.

Texto com 313 palavras

A displasia coxofemoral (DCF) é uma doença de origem genética, que afeta principalmente cães de raças grandes, como os Labradores, Golden Retrievers, Dobermans, Pastores Alemães, entre outros. É mais comum em cães, mas gatos de raças grandes também podem desenvolver a doença.

A DCF leva a alterações no quadril do animal, desde jovem. Com o passar do tempo, a articulação pode ficar deformada, causando dor e problemas de mobilidade.
A doença afeta filhotes, mas pode se manifestar também em cães adultos e idosos, dependendo de vários fatores: peso, idade do animal, fatores ambientais, grau da displasia, nível em que a inflamação se encontra, entre outros.

Quando há sintomas, é possível notar que o animal sente dor, manca ao caminhar, apresenta fraqueza das patas traseiras, evita saltos, atividades físicas, corridas e até mesmo subir em sofás ou bancos. Pode haver também atrofia da musculatura da coxa e aumento dos músculos do ombro.

Para muitos animais, a displasia coxofemoral pode ser corrigida com a realização da cirurgia para correção da deformidade ou até mesmo para o implante de uma prótese total do quadril. Os resultados costumam ser muito positivos.

Para os cães que não possam ser submetidos à cirurgia, o mais recomendado é um tratamento clínico com uso de medicamentos como anti-inflamatórios, analgésicos e regeneradores articulares.

É importante que cães portadores do gene causador da displasia coxofemoral – mesmo que não tenham manifestado a doença – evitem exercícios físicos de impacto, pisos escorregadios (para que o pet não force as articulações traseiras, nem escorregue ou caia) e também recebam cuidados para a manutenção adequada do peso, com alimentação de boa qualidade.

O acompanhamento do médico-veterinário, associado a algumas alterações no estilo de vida do animal, na maioria dos casos são suficientes para estacionar a doença e proporcionar maior bem-estar ao seu amigão, para que ele viva sem dor e com boa mobilidade!

#displasiacoxofemoral #meupetevida # displasiacoxofemoralemcaes #medicinaveterinaria #reabilitacaoveterinaria #displasiacanina

A displasia coxofemoral (DCF) é uma doença de origem genética, que afeta principalmente cães de raças grandes, como os Labradores, Golden Retrievers, Dobermans, Pastores Alemães, entre outros. É mais comum em cães, mas gatos de raças grandes também podem desenvolver a doença.

A DCF leva a alterações no quadril do animal, desde jovem. Com o passar do tempo, a articulação pode ficar deformada, causando dor e problemas de mobilidade.
A doença afeta filhotes, mas pode se manifestar também em cães adultos e idosos, dependendo de vários fatores: peso, idade do animal, fatores ambientais, grau da displasia, nível em que a inflamação se encontra, entre outros.

Quando há sintomas, é possível notar que o animal sente dor, manca ao caminhar, apresenta fraqueza das patas traseiras, evita saltos, atividades físicas, corridas e até mesmo subir em sofás ou bancos. Pode haver também atrofia da musculatura da coxa e aumento dos músculos do ombro.

Para muitos animais, a displasia coxofemoral pode ser corrigida com a realização da cirurgia para correção da deformidade ou até mesmo para o implante de uma prótese total do quadril. Os resultados costumam ser muito positivos.

Para os cães que não possam ser submetidos à cirurgia, o mais recomendado é um tratamento clínico com uso de medicamentos como anti-inflamatórios, analgésicos e regeneradores articulares.

É importante que cães portadores do gene causador da displasia coxofemoral – mesmo que não tenham manifestado a doença – evitem exercícios físicos de impacto, pisos escorregadios (para que o pet não force as articulações traseiras, nem escorregue ou caia) e também recebam cuidados para a manutenção adequada do peso, com alimentação de boa qualidade.

O acompanhamento do médico-veterinário, associado a algumas alterações no estilo de vida do animal, na maioria dos casos são suficientes para estacionar a doença e proporcionar maior bem-estar ao seu amigão, para que ele viva sem dor e com boa mobilidade!

#displasiacoxofemoral # displasiacoxofemoralemcaes #medicinaveterinaria #reabilitacaoveterinaria #displasiacanina

R$5,50

Conheça também outros posts:

  • Post 365

    Ler texto R$5,50 Comprar
  • Post 308

    Ler texto R$5,50 Comprar
  • Post 227

    Ler texto R$5,50 Comprar
  • Post 105

    Ler texto R$5,50 Comprar

O que vou receber ao fazer uma compra?

Cada um dos posts inclui:

1. Arte com imagem em alta resolução, personalizada com seu nome e seus dados. A arte final não conterá a marca d’água, nem qualquer referência ao PetPosts.

2. Texto/Descrição, com informações confiáveis, de alta qualidade e fácil leitura. Conteúdo profissional, com um toque divertido sensível e inteligente, que vai encantar quem ama pets! Média de 300 palavras por texto. Você poderá editá-los, se desejar.

3. Hashtags relevantes, para você se destacar, mesmo para quem ainda não é seu seguidor. Você também poderá editar suas hashtags, se desejar.

Quando vou receber meus posts personalizados?

Após sua compra e confirmação do pagamento, nossa equipe entrará em contato com você para definir a personalização dos seus posts, em até 1 dia útil. Você poderá adicionar sua logomarca (veja as especificações) ou seu nome, CRMV e telefone. Definida a personalização, ela será aplicada a todos os posts comprados por você.

Você receberá, então, um e-mail com todos os posts personalizados, seus respectivos textos e hashtags. Pronto! Você poderá postar nas redes sociais que desejar. Veja este vídeo, que explica como passo a passo como fazer as postagens.

Lembre-se de postar com a maior frequência possível! Isto gera maior sua visibilidade, aumenta o número de potenciais seguidores e favorece o engajamento deles com seu conteúdo!

//